PERFIL DO MUNICÍPIO DE COROMANDEL/MG PARCERIA PARA O DESENVOLVIMENTO SETEMBRO/1999

Fotos de Coromandel


Diamante "Vargas"
 
Síntese caracterização
Síntese institucional
Sintese urbana
Sintese econômica
Caracterização
Histórico do município de coromandel
lLocalização estratégica do município
Aspectos físico-ambientais
Aspectos demográficos
Dimensão institucional
Administração municipal
Finanças públicas
Outras instituições
Dimensão urbana
Água
Esgoto
Resíduos sólidos
Sistema viário
Habitação
Comunicações


Energia elétrica
Transporte
Meio ambiente
Saúde
Educação
Segurança
Esporte, lazer e cultura
Ação social
Dimensão econômica
Setores produtivos
1 primário:
2 secundário:
3 terciário
4 economia informal
Turismo
Força de trabalho
Potencialidades
Demandas
Conclusão 88
 

Veja informações sobre Goiá e Abel Ferreira.

 

 

 

 

CARACTERIZAÇÃO

HISTÓRICO DO MUNICÍPIO DE COROMANDEL

As primeiras notícias sobre o povoado que deu origem à cidade de Coromandel datam do início do século XIX. Por volta de 1824, o arraial de Santa Ana do Pouso Alegre, também chamado de Carabandela, contava com aproximadamente 40 casas, a capela dedicada à Sant'Ana e uma ponte de madeira sobre o córrego. A região atraía garimpeiros de diamante e, nessa época a atividade econômica principal era a pecuária. O povoado servia de retiro de descanso e pernoite aos viajantes que circulavam entre Paracatu, Goiás e o leste do país.

Foto nº. 1 - Igreja de Sant'ana

Em 1870, foi criado o Distrito de Coromandel, inicialmente vinculado à Vila de Paracatu. Em 1882, foi elevado a município, condição revogada posteriormente. Em 1911, de acordo com a nova divisão administrativa do Brasil, Coromandel figura como Distrito do município de Patrocínio. Em 1923, Coromandel obtém finalmente sua emancipação política. Nesta época a pequena vila começa a desabrochar em torno da Igreja Matriz de Sant'Ana, cuja contrução, caiada de azul e branco, conserva até hoje seu estilo de graça e beleza perpetuando a origem de sua história. Em 1925 o Sr. Osório de Morais foi nomeado o primeiro Prefeito da cidade. Os dois prefeitos nomeados posteriormente foram o Sr. Egídio Machado e Dr. Ermiro Rodrigues Pereira. Todos eles, juntamente com vários outros nomes, tiveram uma participação significativa na construção, formação e desenvolvimento desta cidade. Em 1932 foi concluída a construção do Grupo Escolar de Coromandel, hoje denominado escola Estadual Osório de Morais, em homenagem a seu fundador. Neste mesmo ano, também foi construído o primeiro cine-teatro da cidade, pelo Sr. Benedito Onisto, na praça da Igreja. Além da salinha de projeção de filmes, que funcionava através de uma manivela, o espaço do cinema servia para a realização de bailes e encenações de peças teatrais.
Foto nº. 2 - Grupo Escolar Osório de Morais




No final dos anos 50, começaram a aparecer incipientes sinais de modernização. Em 1958, a inauguração do Ginásio Municipal de Coromandel, além de representar importante passo na área da Educação, foi um marco de transformações no universo cultural dos jovens da cidade, com a chegada de novos professores, formação de grupos teatrais, criação de grêmios estudantis, circulação do primeiro jornalzinho, festivais e horas dançantes realizadas no "colégio". Ainda em 1958, foi calçada a primeira rua da cidade . Em 1959, foi criada a Companhia Telefônica de Coromandel, encampada posteriormente pela Telemig, em 1974. Também em 1959, foi inaugurado o cine União. Aquele movimento de "vaivém" e de encontro dos amigos, antes concentrado na praça da Igreja, transferiu-se para a " porta do cinema" e, mais tarde, as noites ficavam ainda mais sofisticadas com as horas dançantes do Jucas Bar. Até o início da década de 60 a luz elétrica era fornecida por um gerador que funcionava das 19 às 22 horas. Em 1964, foram concluídas as obras da Hidrelétrica Coromandel - Abadia, porém, sua capacidade se tornou insuficiente e em 1969 a energia passou a ser fornecida pela CEMIG. Na década de 60, acontecem importantes e novas transformações na área educacional: Em 1963, foi inaugurada a Escola de Comércio. Em 1964, a Escola Normal e em 1966, a primeira Escola Estadual de 5a à 8a série – Escola Estadual Joaquim Botelho. A ampliação da rede escolar enriqueceu mais ainda a vida cultural e social da cidade. Em 1962, foi inaugurada a agência do Banco do Brasil na cidade. A década de 60 foi marcada pelos bailes, brincadeiras dançantes, serenatas e as tradicionais festas religiosas com barraquinhas em torno da Igreja . Em 1967, foi construída a primeira torre de TV e os primeiros sinais de transmissão alcançaram a cidade. A partir de 1970, o perfil de Coromandel foi profundamente alterado com a chegada de famílias de sulistas, principalmente paranaenses, paulistas e gaúchos, que vieram à procura de terras baratas e produtivas e com o incentivos dados pelo governo federal para a exploração do cerrado, com adoção de técnicas modernas e alteração das culturas dominantes. Aconteceu , paralelamente, uma expansão dos setores secundário e terciário na cidade. Ainda na década de 70 a cidade sofreu profundas transformações urbanas, com ampliação significativa de seus limites urbanizados, recapeamento das ruas com asfalto, iluminação pública a mercúrio, construção do terminal rodoviário, praças e escolas. Em 1980, foi inaugurada a primeira emissora de rádio da cidade, a Rádio Diamante de Coromandel e, posteriormente, em 1993, a Rede Gerais FM de Comunicação. Outra grande conquista na área de comunicação foi a criação da TV Coromandel. Em l982, foi inaugurada a Agência da Caixa Econômica Federal. No final da década de 90, Coromandel é considerado um município promissor, desenvolvido economicamente, sobressaindo-se na produção agropecuária do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, mas ainda com grande potencial de riquezas a serem exploradas. A extração de diamantes tem acompanhado permanentemente a história da cidade. Em 1938, foi descoberto o diamante Getúlio Vargas e quinze entre os vinte maiores diamantes brasileiros foram encontrados no município. Há alguns anos foi introduzida a mecanização nos garimpos, mas a forma artesanal não foi abandonada. Em 1996 foi inaugurada a Casa da Cultura , considerada a melhor e mais bem equipada da região. Sua criação tem o objetivo, segundo seus representantes, de resgatar, preservar e divulgar a cultura e a história do povo da cidade. Juntamente com o desenvolvimento econômico e social de Coromandel, fatos e nomes importantes serviram para projetar o nome da cidade no cenário nacional. A existência do belíssimo e misterioso "Poço Verde" atrai estudiosos , pesquisadores e apreciadores de várias regiões do país. A consagração do nome de filhos ilustres da cidade, dos quais podemos citar o músico Abel Ferreira que tocou e soprou tão belo e suavemente, através de sua clarineta, a beleza do "Luar de Coromandel". Finalmente o saudoso Goiá, compositor e grande poeta, que escreveu e cantou com o próprio coração e cujas composições são hoje interpretadas por grandes nomes da música e relembradas com muito orgulho pelo povo da cidade. Coromandel é uma cidade em desenvolvimento, mas mantém um forte caráter hospitaleiro, já mencionado no início do século pelos primeiros visitantes. Motivo pelo qual é também chamada, além de a "Terra do Diamante", de "Cidade Simpatia".

LOCALIZAÇÃO ESTRATÉGICA DO MUNICÍPIO


Coromandel não é mais o arraial de Santa Ana de Pouso Alegre ou Carabandela, um lugar ermo das Minas Gerais do século passado. Nem pertence mais ao Termo Julgado de São Domingos de Araxá ou à Comarca de Paracatu. Há 76 anos, Coromandel integra a extensa relação dos municípios mineiros. "Situado na região Oeste do Estado de Minas Gerais, o município de Coromandel faz limite com o Estado de Goiás. Segundo a classificação do IBGE, localiza-se na zona fiosiográfica do Alto Paranaíba, sendo integrante da microrregião 171 que, por sua vez, juntamente com outros municípios, forma a macrorregião de planejamento do Alto Paranaíba, conforme a divisão adotada pela Secretaria de Estado do Planejamento e Coordenação Geral de Minas Gerais. Esta macrorregião se compõe das microrregiões de Araxá, Patos de Minas e Patrocínio, compreendendo 31 municípios, dos quais onze (dentre eles Coromandel) encontram-se na microrregião de Patrocínio" . Considerando essa macrorregião, Patos de Minas é o município com mais capacidade polarizadora. Entretanto, Uberlândia, situada no Triângulo Mineiro, tende a se consolidar como o pólo mais importante para Coromandel. Na microrregião de Patrocínio – município polarizador – Coromandel ocupa lugar de destaque ao lado do município vizinho de Monte Carmelo. Do ponto de vista administrativo, Coromandel possui, além da sede, os distritos de Alegre e Santa Rosa e vários outros povoados, entre os quais: Santo Inácio, Altinho, Mateiro, Pântano e Brejão. Inúmeros outros lugarejos (podem ser contados mais de 60!) espalham-se por toda parte, preenchendo a imensa área do município. Bem perto ou um pouco mais distantes da cidade, esses povoados são lembrados pela importância econômica e também como centros de manifestações culturais tradicionais, ainda cultivadas e conservadas pelas comunidades, como as festas de capela e as folias de reis. A inserção de Coromandel no importante cenário macroeconômico do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, cujas fontes de riqueza são a agropecuária e as atividades extrativas, provoca novos e abrangentes desafios. O reconhecimento e a superação deles dependem, cada vez mais, de projetos e políticas de integração regional. o mapa abaixo, podemos visualizar os principais municípios limítrofes de Coromandel, com os quais cria um importante pólo de desenvolvimento do estado de Minas Gerais.
Mapa 1.2.1 –



Municípios limítrofes Determinante para esse processo de integração foi a construção e o melhoramento da malha rodoviária que, hoje, liga Coromandel às principais cidades-pólo da região e do estado conforme pode-se perceber no mapa 1.2.2.: Mapa 1.2.2 – Mapa Rodoviário

1.1 ASPECTOS FÍSICO-AMBIENTAIS
Tão grandiosa quanto a sua extensão territorial é a riqueza que surge do solo e subsolo de Coromandel. Às vezes, brota espontâneamente e se espalha sob a forma de belas paisagens naturais. Outras vezes, surge da iniciativa daqueles que trabalham mãos e máquinas aquecidas por necessidades e sonhos – e se deixa apanhar como grãos servidos à mesa, colhidos em modernos instrumentos mecânicos, ou mesmo como pedras de côres e tamanhos variados, mas de brilho ímpar, embaladas no jogo infindável e cadenciado de peneiras. Das grandes lavouras de café, imensos oceanos esverdeados, às plantações ordenadas de soja ou milho, tudo se apresenta à contemplação: obras humanas de grande valor, edificadas e reconstruídas de tempo em tempo. Obras de arte divina e beleza natural surgem aqui e ali: como os pequenos riachos que descem rápidos em lindas cachoeiras. Ou, ainda, como o maravilhoso Poço da Água Santa que brota, inesperadamente, em pleno cerrado e escorre devagar pela terra vermelha: cria o pequeno rio e gera vida! Mas se a água nasce como de uma só vez, e teima em se exibir, misteriosa e bela, apenas na superfíce, sem ir para lugar nenhum, aí está o Poço Verde da Esperança:

"Meu poço verde velho amigo do passado
Vim rever-te emocionado
Um antigo menestrel
Que pela vida vem cantando tão contente
Mas que chora intimamente
Ao falar Coromandel" (Goiá).

Essa rica diversidade se distribui numa área calculada, aproximadamente, de 3.320,04 km2, segundo dados do IGA. Metade dela apresenta relevo plano, onde se situam as principais áreas de aproveitamento agrícola e de pecuária. Mesmo as áreas restantes de relevo ondulado (20%) e montanhoso (30%) apresentam considerável índice de mecanização, sobretudo para pastagens. De uma a outra área, a topografia se ergue harmoniosa e sem grandes variações altimétricas. A altitude máxima verificada é de 1258 m, no Morro das Pedras , e a mínima é de 691m, nas proximidades da foz do Rio Pirapetinga . A sede se situa a 906 m de altitude. A vegetação existente na maior parte do município é constituída basicamente por formações típicas do cerrado ou cerradão, em áreas hoje cada vez menores por força do ritmo acelerado dos desmatamentos. Nas regiões próximas aos rios e canais de escoamento ainda existem as chamadas matas ciliares, cuja importância para a manutenção das fontes de água é inquestionável e por isso enseja ações estruturadas de preservação. Há tempos atrás, alguém que conheceu Coromandel, naquela época um lugarejo com pouco mais de quatro dezenas de casas, afirmou: "Os ares desse arraial são mui agradáveis..." Certamente, estava se referindo às condições gerais propícias ao seu crescimento e, sem dúvida, também ao clima agradável do lugar. Passaram-se os anos e ainda se pode dizer que o clima continua bom. Classificado como do tipo Padrão Tropical Úmido, apresenta duas estações que se distinguem claramente: um período das chuvas e de muito calor, geralmente de Outubro a Março, e um período de estiagem e seca, com pouca umidade e baixas temperaturas, que vai de Abril e Setembro. Segundo a EMATER, as temperaturas médias podem chegar à máxima de 36,5ºC e à mínima de 14,10ºC, inclusive com ocorrências eventuais de geadas. A cada ano, o índice pluviométrico médio anual, hoje estimado em 1.362,10 mm, vai diminuindo gradativamente e, o que é pior, cada vez mais ocorrem variações bruscas e inesperadas no clima da região. Um pouco aqui, outro tanto mais distante, em graus e intensidades diversas, as agressões à natureza provocam efeitos desagradáveis e quase sempre irreversíveis. Em Coromandel, os desmatamentos de toda sorte, as queimadas rotineiras, os milhares de garimpos deixam a terra vulnerável e os rios expostos ao assoreamento contínuo e criminoso. O pincipal recurso hídrico de Coromandel é formado pelo Rio Paranaíba, que corre no sentido leste-oeste do município, levando junto as águas dos rios Santo Inácio e Santo Antônio. Importantes também são o Rio Douradinho e o Rio Dourados. O primeiro, antes "um riacho bastante fundo", sofre hoje os efeitos devastadores dos garimpos que se multiplicam às suas margens. E apesar disso, ainda chamam-no carinhosamente de "Douradinho dos Diamantes", suas águas lavando pedras e levando adiante sonhos, conquistas e desilusões.

Mapa 1.3.1 Hidrografia de Coromandel

Além dos diamantes,devem ser citados como grandes recursos minerais do município o calcário, o fosfato natural e a argila cerâmica. Sua importância econômica e os desafios abertos pela exploração de cada um serão conhecidos adiante. Foto nº. 4 - Área de exploração de argila

Os problemas enfrentados pelo município, no que se refere à ordem ambiental, não carecem de textos legais específicos nem de quaisquer códigos de proteção. A própria Lei Orgânica de Coromandel dispõe sobre obrigações ecológicas. Entretanto, nem mesmo o Poço Verde, declarado monumento natural e paisagístico em 1988, conta com ações efetivas de conservação. Ações e projetos ecológicos ainda estão restritos a iniciativas e posturas de um reduzido número de pessoas e associações. Apelos à consciência e recomendações a toda a comunidade não faltam. A título de inspiração e encorajamento, vale lembrar, novamente, o poeta Goiá: "Feliz do governo que cuida da flora, Da fauna e, na luta, faz tudo de novo. Governo de hoje, governo de outrora, Jamais sairão do coração do povo".


ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

Ao confrontar os censos demográficos de 1970, 1980, 1991 e 1996, pode-se verificar que o crescimento populacional de Coromandel apresenta duas características bem marcantes: "relativa estabilidade no número de habitantes entre 1970 e 1980, seguida se crescimento próximo da média estadual; acentuado processo de urbanização". Quadro 1.4.1 - População total residente, por localização urbana e rural De Coromandel- 1980/91/96

Município de Coromandel

População

período

Urbana

Rural

Total

1970

 

7.691

12.787

20.478

1980

 

12.367

9.679

22.046

1991

 

16.498

8.456

24.954

1996

 

17.879

7.968

25.847

Taxa de

1970/80

-

-

-

Crescimento

1980/90

2,65

-1,22

1,43

Anual

1991/96

1,62

-1,18

0,92

Fonte : IBGE

Os dados apresentados na Tabela acima corroboram as conclusões do Diagnóstico Municipal concluído em Março de 1996. Entretanto, é preciso considerar que o crescimento da população urbana a níveis expressivos não é exclusivo do município, inserindo-se mais amplamente no contexto de modernização do país. Coincidentemente, como o outro lado da mesma moeda, o êxodo rural amplia e aprofunda os desafios abertos pela oposição campo-cidade. A taxa de crescimento populacional verificada no último censo de 1996 foi de 0,92%, segundo a Fundação João Pinheiro, confirmando, pois, a tendência de estabilidade. Traz também preocupações estruturais, quando se consideram os fluxos migratórios internos e externos. Por exemplo: quais dificuldades geram esse pequeno crescimento e quais são as alternativas? Algumas delas foram sugeridas pelos entrevistados e serão lembradas ao final deste trabalho. A distribuição por Sexo e Idade é apresentada na Tabela 1.4.2. No total o número de homens é ligeiramente maior que o de mulheres. Um homem para cada mulher: é quase isso na cidade! Na área rural,não é bem assim: os homens são 12% mais que as mulheres.

Tabela 1.4.2 – População por idade e sexo

DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO POR SEXO E IDADE

ANO 1996

URBANA

RURAL

IDADE

TOTAL

HOMEM

MULHER

TOTAL

HOMEM

MULHER

00 a 04

1507

750

757

798

421

377

05 a 09

1748

899

849

738

379

359

10 a 14

1789

940

849

764

415

359

15 a 19

1826

901

925

738

405

333

20 a 24

1626

821

805

768

416

352

25 a 49

6559

3327

3332

2967

1705

1262

50 a 59

1354

660

694

661

408

253

+ de 60

1370

603

767

524

318

206

Total

17879

8901

8978

7968

4467

3501

Fonte: IBGE

A densidade demográfica do município é calculada em 7,89 hab/km2, índice extramente baixo quando comparado ao do Estado (28,3 hab/km2). O Índice de Desenvolvimento Humano – IDH de Coromandel, calculado pela Fundação João Pinheiro, em 1991, é de 0,74%. Vale lembrar que o índice foi criado pela ONU para avaliar e comparar os estágios de desenvolvimento relativos entre países. A escala propõe: Baixo IDH (até 0,5%), Médio IDH (entre 0,5% e 0,8%) e Alto IDH (acima de 0,8%). Seja como for, todos os índices (quantidades) são indícios (qualidades).

Pontos de partida e reflexão.
O que se quer é crescer sempre e com qualidade:este é o objetivo de toda a comunidade.
Para atingí-lo já é um passo adiante recordar: "Só tem gente boa na minha terra..." (Goiá).